As novas tecnologias e os adolescentes

A chegada das novas tecnologias terá transformado a vida dos adolescentes? É uma questão muito pertinente que muitos perguntarão. Na verdade, já ninguém passa sem o seu PC, tablet ou smartphone. Maior parte dos adolescentes, hoje em dia, já tem o seu smartphone ou o seu tablet, embora hajam ainda alguns que não tenham, dada a situação actual do país e a conjuntura económica dos pais.

adolescentes-usando-o-computador-560x273

Relação entre novas tecnologias e adolescentes

É evidente que os jovens pré-adultos vivem hoje com as novas tecnologias, e sentem-se muito à vontade pois mexem com estas ferramentas há muito tempo, comunicam através de chats (salas de conversa, como exemplo, o Facebook, Talk, etc.) usando os seus portáteis ou notebooks. Todos estes gadjets, equipamentos informáticos representam um perigo para eles?

A necessidade de estar online em chats, sites de convívio e outros locais na Internet reduz consideravelmente a necessidade de sair com os seus amigos, pois os adolescentes têm a tendência de usar estas novas ferramentas.

As redes sociais permitem um alargamento do círculo dos seus amigos. Contrariamente ao que é falado, os adolescentes não se fecham em si-mesmos, não se isolam. Usam as redes sociais, como o Facebook, para comunicar com os seus amigos, tirar dúvidas e, por vezes até ter explicações com pessoas mais velhas.

O sono e as novas tecnologias

As novas tecnologias têm um grande impacto sobre o sono. Não hajam dúvidas sobre esse grande impacto. Na verdade, a duração e qualidade do sono foram muito afectados. Diminuíram-se as saídas noturnas, porém, a utilização de um computador ou de um notebook com acesso à Internet terá feito perder pelo menos cerca de 1 hora de sono diários. Sabe-se que, no entanto, os jovens que preferem ler, dormem mais tempo, pois a leitura atrai mais facilmente o sono.

jovem-com-computador-deitado

É conveniente alertar os pais e educadores que os jovens adolescentes que passam mais tempo no computador, necessitam de ficar até mais tarde na cama a dormir para terem as 6 a 8 horas de sono, que é o que o corpo humano precisa para descansar e repor as suas energias. Geralmente esses jovens nunca se deitam “cedo” e ficam sempre até tarde no computador, porém é importante saber que o sono excessivo também pode prejudicar os adolescentes. Dormir pouco na adolescência também pode favorecer problemas cardíacos.

Se por um lado os pais têm de entender que os jovens necessitam de acordar mais tarde, por outro lado, estes também têm de compreender que passar muito tempo na frente de um computador, pode levar a complicações na saúde adulta. Os pais devem atrair os jovens para fora dos computadores com conversas convincentes sem recorrer à força, desligando a Internet ou a corrente eléctrica. Os pais têm de saber convencer os seus filhos para bem da saúde deles, e explicar-lhes que têm de se movimentar e jamais podem ceder a chantagens dos adolescentes como por exemplo, deixarem os filhos comerem à frente do computador.

Para isso, cabe aos pais terem noção daquilo que fazem. Não podem pedir ao filho que saia do computador, quando eles próprios estão no iPad ou no tablet navegando. Devem sim, como já foi referido, serem convincentes e arranjarem argumentos válidos.

Artigos interessantes na Internet sobre o sono e a adolescência:

As novas tecnologias e a sexualidade

Bem, nesse campo, não haverá grandes mudanças. Os adolescentes continuam “fiéis” ao comportamento natural do ser humano sem recorrer ao acesso à Internet. Podem usar os meios de comunicação já referidos (chats, Facebook, etc.) mas geralmente, usam mais o convívio pessoal, combinando encontros com SMS (mensagens escritas nos telemóveis / celulares) para os mais tímidos ou, como sempre, com o contacto directo para os mais atrevidos. Os SMS vieram basicamente substituir os recados por escrito quando um rapaz reservado queria encontrar-se com uma menina, ou quando querem impressionar.

As novas tecnologias e o ensino

Nesta área, as novas tecnologias tiveram igualmente um grande impacto. Graças às novas tecnologias, o uso do computador e da Internet tornaram-se num caso sério do ensino. Os jovens adolescentes já não passam sem o seu computador ou tablet. No meu ver, dentro de poucos anos, o caderno será completamente substituído pelo tablet. Todo o aluno terá o seu tablet na sua secretária e tirará os seus apontamentos directamente no Word.

Turma-com-computadoresQuanto ao ensino vai ser mais complicado por parte dos professores. Actualmente para um professor, é (quase) impossível controlar tudo o que o aluno está a fazer no computador. Ou as escolas adoptam salas completamente tecnológicas com controlo total por parte dos docentes e responsáveis informáticos ou os professores terão de ir na boa fé acreditando que o aluno está a cumprir com as suas ordens. Nesta última situação, será mesmo um caso para esquecer dado que na sua maioria, os jovens preferem “perder tempo” nas redes sociais e não têm ainda noção das responsabilidades. Já na primeira situação, será um grande gasto do Estado e pesará no OE (Orçamento do Estado) mas poderá ser uma grande utilidade a curto prazo, dando mais emprego a informáticos, engenheiros quanto técnicos. Serão necessários mais postos com computadores, licenciamento de softwares, actualizações e material de redes. Também será necessário a utilização de ambientes remotos afim de controlar todos os PC’s e firewalls bem configuradas para que os alunos não possam trazer vírus para a rede e/ou visualizar / acessar determinados sites. Também será necessário óptimas ligações à rede com Internet e intranets rápidas. Por fim, para complementar tudo isso, será necessário fazer ver aos alunos que o computador não é uma máquina para jogar, para passar horas na Net em jogos online, mas que se trata de uma ferramenta de trabalho com muita capacidade e que poderá ser útil para desenvolver bons trabalhos, investigações mais ampliadas, etc.

Em suma, é necessário modernizar as escolas o quanto antes com sistemas informáticos bem estruturados e orientar tanto professores como alunos para a visão do computador enquanto ferramenta de trabalho.

Em conclusão, as novas tecnologias vieram para ficar para todos nós, mas não vieram para isolar os jovens adolescentes ao contrário daquilo que muitos afirmam. Os jovens adolescentes sentem-se muito mais atraídos pelas novas tecnologias e tendem a investigar mais, aprender e conviver mais.

Você gostou do artigo? Então partilhe-o.

About Rui Silva

Fundador e criador do site "i-Técnico - Informática Para Todos".

One Reply to “As novas tecnologias e os adolescentes”

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.