Adeus Windows 7! É o fim do suporte. Saiba o que significa e veja o que deve fazer.

O Windows 7 já não tem mais suporte! Você sabe o que isso significa?

Neste artigo, iremos explicar o que aconteceu com o Windows 7, o que significa o fim do suporte e o que deverá ser feito.

Fim do Windows 7

A 22 de Julho de 2009, o Windows 7 foi lançado para as empresas. Três meses depois, a 22 de Outubro, foi lançado para os utilizadores (usuários) comuns. Apesar de se chamar assim, este sistema operativo é a versão NT 6.1.

Focado em melhorar o desempenho do Windows Vista, o Windows 7 foi uma actualização muito mais eficiente, limpo e mais prático de usar. Muitos diziam que o Windows 7 tinha a aparência do antecessor Windows Vista e o “motor” do XP, o que o deixava muito mais rápido em relação ao Vista.

Durante cerca de 3 anos, o Windows 7 conquistou a maioria dos utilizadores do Windows Vista e conseguiu cativar também alguns do Windows XP. Em 2012, no início do ano, Microsoft anuncia que vendeu 525 milhões de licenças. Estas vendas acabaram no dia 1 de Novembro de 2016, tal como anunciámos aqui no “i-Técnico” (clique aqui para abrir o artigo).

No dia 13 de Janeiro de 2015, foi anunciado o fim do suporte ao Windows 7 tal como anunciámos aqui no “i-Técnico” (clique aqui para abrir o artigo).

No dia 14 de Janeiro de 2020, a Microsoft pôs fim ao suporte alargado do Windows 7. O que isso significa? É isso que vamos ver já de seguida.

O fim do Windows 7

Tal como já era previsto, no dia 14 de Janeiro de 2020, a Microsoft anunciou que não vai dar mais suporte ao Windows 7 ao utilizador comum.

Isto significa que o sistema operativo não vai receber mais nenhuma actualização de segurança. Logo, vai ficar vulnerável a qualquer ataque de pirataria, pois se for detectada alguma falha, esta não será mais corrigida. Porém, qualquer máquina com Windows 7 poderá ser invadida com vírus.

As empresas de segurança que criam antivírus também não são mais obrigadas a focar-se no Windows 7, o que expõe mais ainda os utilizadores a vários perigos.

Logo, a partir desse dia, qualquer problema que surja no futuro, seja ele de segurança ou a nível do próprio sistema, vai ficar sem solução.

O que vai acontecer a quem ficar com o Windows 7?

O utilizador (usuário) comum que quiser ficar com o Windows 7 vai correr perigos, como apanhar vírus ou malware. Mesmo que a Microsoft tome conhecimentos de novas falhas, não irá resolver nenhum problema relacionado com este sistema operativo. Aquelas actualizações que aconteciam às terças-feiras, conhecidas por patch tuesday, não existem mais.

Se você faz parte dessa percentagem de pessoas que continua fiel ao Windows 7 e se você for um utilizador (usuário) comum, continue a ler o nosso artigo e veja as nossas recomendações.

E o Windows 7 instalado em empresas ou instituições?

Tal como referido no início deste artigo, acredita-se que ainda existem muitos computadores de empresas e instituições com o Windows 7 instalado. A estas empresas e instituições, resta pagar à Microsoft para poder manter o suporte até 2023.

O meu computador vai deixar de funcionar?

Claro que não vai deixar de funcionar. Porém, tal como já mencionado neste artigo, o computador vai ficar aberto a possíveis ataques de piratas.

Além disso, no dia 10 de Dezembro de 2019, a Microsoft lançou uma actualização para o Windows 7, que consiste em apresentar a partir de 15 de Janeiro de 2020, uma notificação de ecrã inteiro (tela cheia), onde será descrito o risco de continuar a utilizar este sistema operativo.

Essa actualização chama-se KB4530734 (Rollup Mensal) e irá mostrar essa notificação às seguintes edições do Windows 7 Service Pack 1:

  • Starter
  • Home Basic
  • Home Premium
  • Professional (excepto se tiver comprado a Extensão das Actualizações de Segurança ou ESU)
  • Ultimate.

Para mais informações sobre o KB4530734 clique aqui.

O que se recomenda a quem tiver ainda o Windows 7?

Recomenda-se ao utilizador comum que comece a procurar PC’s (computadores) mais recentes, pois estes já trazem novas unidades de disco mais rápidas, as tais SSD (Unidade de Estado Sólido ou do inglês Solid-State Disk), que substituam o tal disco rígido mecânico.

Se você não se sente à vontade com o Hardware ou precisa de alguma ajuda para escolher os componentes do seu novo computador, pode ler o nosso artigo onde explicamos quais são os principais componentes (clique aqui para abrir o artigo).

Os utilizadores que persistirem em manter o seu computador e migrar para o Windows 10, poderão notar lentidão nas suas máquinas. É por isso que se recomenda a aquisição de um computador novo.

E o Windows 8.1?

Quanto a este sistema operativo da Microsoft, apesar de estar ainda a receber actualizações, já está também a aproximar-se do seu fim (10 de Janeiro de 2023). Logo, só poderá utilizar esse computador por mais 3 anos sem correr riscos, ou seja, você vai adiar o inevitável, a compra de novo equipamento.

Eu tenho um computador de secretária. Preciso de comprar um novo?

Claro que não, mas é importante fazer um check-up (avaliação) da sua máquina, para ver se os componentes (placa-mãe, processador, memória RAM, etc.) são ou não compatíveis com o Windows 10.

Algumas placas-mães que suportaram o Windows 7 poderão não suportar o Windows 10 devido à falta de drivers. Se for o seu caso, será necessário adquirir outra placa-mãe mais recente, e consequentemente, um processador, memória RAM e um SSD, que sejam compatíveis com o Windows 10.

Se por acaso você comprou um computador de secretária com o Windows XP e migrou para o Windows 7, lembre-se que você está com uma máquina que já tem mais de 15 anos e nessa altura, não havia a tecnologia que existe hoje com o Windows 10.

Não se esqueça de subscrever a nossa página de Facebook. É só clicar no botão azul abaixo.

Você gostou do artigo? Então partilhe-o.

About Rui Silva

Fundador e criador do site "i-Técnico - Informática Para Todos".

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.