TPM 2.0: Vai ser necessário para instalar o Windows 11. Mas o que é isso?

Desde que o Windows 11 foi lançado, tem-se muito falado de um dos requisitos: o TPM 2.0.

Mas o que é esse componente? Para que serve? É isso que vamos ver neste artigo.

TPM 2.0 - O que é

Quando o Windows 11 foi apresentado, a Microsoft anunciou que um dos requisitos seria o Trusted Platform Module 2.0 (TPM 2.0), um componente da área de segurança do sistema operativo.

A controvérsia desse requisito é que nem todos os computadores estão preparados e outros nem equipados estão. Os computadores que não estão preparados, vão ter de activar esse componente e os outros deverão fazer uma actualização do hardware.

Mas o que é o TPM 2.0?

TPM 2.0 é a sigla para Trusted Platform Module (Módulo de Plataforma Confiável) e refere-se a um processador de criptografia instalado nas placas-mãe (motherboards), com um dos objectivos oferecer mais segurança durante o arranque (🇧🇷inicialização) do sistema operativo (🇧🇷sistema operacional). A outra intenção é auxiliar na preservação de palavras-passe (🇧🇷senhas).

Hoje, o TPM é um bloco de segurança essencial no cal cada vez mais recursos do Windows e de aplicativos de terceiros são baseados. Quando no Windows 10, a presença do TPM 2.0, que já existe desde 2016, não era obrigatória, no Windows 11, esse componente vai ser fundamental. Para isso, a Microsoft obrigou a que os seus parceiros de fabricação passassem a integrar sistematicamente um módulo na placa-mãe (motherboard).

Por ser uma questão de segurança de dados pessoais, acreditamos que a Microsoft não vai voltar atrás na exigência desse requisito para o novo Windows 11. Mas… nunca se sabe!

O que faz o TPM 2.0?

No Windows 10, o TPM é usado de diferentes formas: por exemplo, é usado para criptografar dados do disco rígido, como parte do “BitLocker Drive Encryption” (apenas nas versões Pro e Enterprise”) ou ainda na versão “Device Encryption” (disponível nas versões de consumidor do Windows).

Logo, se o TPM detectar um programa malicioso ou um vírus no computador, pode colocar-se automaticamente em quarentena (e todos os dados armazenados nesse computador). Em alguns casos, o TPM pode ainda analisar o BIOS do seu computador no início e executar uma série de testes para procurar programas ou acessos não autorizados antes de o executar.

Além disso, o TPM permite também gerar e armazenar chaves secretas e dados criptográficos para aplicativos de sistema e, em particular, para Windows Hello, a função de controlo biométrico, e Windows Defender, o software anti-malware de Windows.

O meu PC é compatível com o TPM 2.0?

O Windows tem uma ferramenta muito simples para verificar o estado de activação ou de compatibilidade com TPM no seu computador (PC).

Passo # 1

Abra o menu Iniciar clicando lá ou pressionando a tecla Windows do teclado.

Passo # 2

Escreva agora tpm.msc e dê carregue na tecla Enter.

Passo # 3

Veja se o seu computador tem ou não o TPM (Trusted Platform Module) compatível.

Se aparecer a seguinte imagem, muito provavelmente o seu computador não tem o TPM, ou então, terá de o activar na BIOS. Confirme com a fabricante da placa-mãe (motherboard) se já traz o módulo integrado.

TPM 2.0 - O que é 001

Se o seu computador apresentar a seguinte imagem, então significa que tem o TPM 2.0 e está activado.

TPM 2.0 - O que é 002É no passo 3 que você irá saber se o seu computador (PC) está ou não apto a receber o novo sistema operativo.

E você, vai actualizar para o Windows 11 assim que estiver disponível? Deixe-nos o seu comentário.

A sua ajuda é muito importante! Dê-nos uma ajuda e divulgue este artigo. Partilhe-o nas redes sociais!

About Rui Silva

Fundador e criador do site "i-Técnico - Informática Para Todos".

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.